Primavera em isolamento: a vida em Lisboa e o coronavirus

Last updated on 23-mar-2020

A primavera chegou no hemisfério norte, mas na maioria dos lugares, a atividade humana está se movendo oposta à melhora do clima. As pessoas estão ficando mais dentro de casa. Ao nosso redor, lojas, cafés, restaurantes, mercados, escritórios e lojas estão fechados, ou abertos com serviços e horários modificados. Muitas organizações têm funcionários trabalhando de casa. Instituições de ensino e creches estão fechadas. Ruas e calçadas estão vazias. Mesmo comércios essenciais, como supermercados e farmácias, reduziram o horário e/ou restringem o fluxo de clientes. É uma nova realidade que parece muito surreal e até um pouco de pesadelo. Em questão de semanas, a vida mudou em todo o mundo. Tudo porque há um inimigo invisível no ar.

Não há escassez de informações (úteis ou não) sobre novo coronavírus, ou COVID-19, uma nova doença respiratória que não havia sido previamente identificada em humanos. Apareceu em pessoas pela primeira vez em Wuhan, China, no final de 2019. Depois disso, se espalhou rapidamente para todos os continentes e foi avaliado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma pandemia global em 11 de março de 2020, menos de três meses depois.

Estamos em Lisboa desde meados de dezembro de 2019. Tiramos um período sabático e planejamos ter uma base em Portugal e viajar pela Europa em 2020. Por volta de fevereiro, o vírus começou a atingir alguns de nossos destinos de viagem pretendidos – como Itália, Espanha e França – e começamos a perceber que muita coisa mudaria, não apenas para nós e nossos planos, mas para todos.

Lisboa continua a ser o nosso lar por enquanto, mas a vida tem sido diferente. Considerando que antes passávamos muito tempo passeando, aproveitando as muitas horas de sol e o inverno ameno, explorando as inúmeras atrações da cidade, as belas paisagens, a arquitetura impressionante e as aparentemente intermináveis ​​opções de comida e entretenimento, agora estamos passando quase todo nosso tempo em casa, exceto para sair com o cachorro em caminhadas rápidas e fazer compras necessárias, caso não possam ser entregues. Somos gratos que o apartamento que alugamos é localizado em um bairro calmo e agradável, com comércio e serviços acessíveis a pé. Também estamos felizes por nossa unidade ter um terraço, para que possamos “sair” sem sair de casa.

Começamos a ajustar nossa rotina no início de março. Naquela época, o número de casos confirmados de COVID-19 na Itália estava perto de 5.000 e subindo rapidamente (apesar do decreto de quarentena imposto no norte da Itália desde 22 de fevereiro e das medidas tomadas em todo o país a partir de 1º de março), os casos confirmados ultrapassavam 500 na Espanha e Portugal registrava sua primeira dúzia de casos. Começamos a sair menos, evitando transportes públicos e lugares de mais aglomeração, como shoppings. Os números de infectados aumentaram muito rapidamente depois disso, e tudo o mais mudou com a mesma rapidez.

Em 12 de março de 2020, o governo português declarou o nível mais alto de alerta por causa do COVID-19 e o manterá até pelo menos 9 de abril. Depois, em 18 de março, o Presidente declarou a totalidade do território português em estado de emergência por quinze dias, com possibilidade de renovação. Por enquanto, há uma limitação de movimento para atividades não essenciais e o conselho é ficar em casa o máximo possível, mantendo as diretrizes de distanciamento social. Somente trabalhadores essenciais e aqueles que não podem trabalhar em casa devem ir ao local de trabalho. Ainda podemos sair, desde que não sejam mais de duas pessoas juntas e que sejam da mesma casa, para fins de exercício, passear com o cachorro ou fazer compras necessárias em um supermercado ou farmácia.

No geral, as pessoas em Portugal parecem estar respondendo bem às medidas. O medo de repetir a terrível situação atual na Itália é um forte motivador. Também não vimos tanta compra de pânico como relatada em outros países, e as prateleiras dos supermercados estão bem abastecidas na maior parte – até mesmo o papel higiênico é fácil de encontrar, embora o álcool gel seja raro. Nossa esperança é que a situação continue calma e a taxa de transmissão na população em geral permaneça sob controle. E também estamos muito preocupados com nossos pais e sogros, que estão entre os 70 e 80 anos de idade e moram no Brasil, onde a taxa de infecção está se acelerando.

As previsões e os modelos futuros são sombrios. Não sabemos quanto tempo essa crise vai durar e não sabemos quanto pior será antes de melhorar. Não sabemos de que forma a economia global e os mercados locais estarão no momento em que a pandemia acabar. É uma emergência de saúde que afeta todos os aspectos de nossas vidas – carreiras, relacionamentos, renda, liberdade, segurança, alimentação, saúde mental e muito mais.

Nestes tempos de incerteza, precisamos nos concentrar no cuidado próprio e na bondade. Precisamos lembrar a “regra de ouro” e tratar os outros como queremos ser tratados. Precisamos lembrar que todos pertencemos a uma comunidade e estamos nisso juntos. Vamos optar por permanecer positivos e fazer o possível para apoiar / proteger os mais vulneráveis. Este não é um problema distante que não tem nada a ver conosco. Está afetando (ou vai em breve) as pessoas próximas a nós – membros da família, amigos e vizinhos – e todos devemos fazer nossa parte e tentar NÃO tornar isso ainda mais difícil para alguém.

Enquanto muitos lugares estão fechados e atividades estão canceladas, conversas, música, humor, livros, relacionamentos, amor, bom senso, compaixão e esperança podem nos conectar e nos ajudar a fazer o melhor possível todos os dias. O início da primavera nos lembra dos ciclos da natureza e nos inspira a fazer uma pausa, descansar, reunir forças e permanecer saudáveis ​​para podermos florescer novamente em breve.

Nosso blog se chama VivaHappy, mas entendemos que não podemos ser felizes o tempo todo. O que podemos fazer é tentar escolher a calma em vez do pânico, o bem comum em vez do individualismo, o otimismo em vez da ansiedade e a prevenção consciente em vez da paranóia.

Aqui está um link sobre maneiras de reduzir a ansiedade, bem como algumas idéias abaixo para ajudá-lo a permanecer conectado e centrado:

  • Entre em contato com amigos, familiares e colegas de trabalho por telefone, SMS, WhatsApp, Skype, etc.
  • Se estiver trabalhando em casa, tente seguir um horário regular e mantenha-se produtivo
  • Interaja com sua família, cônjuge / companheiro, ou colega de quarto em casa
  • Encontre atividades simples, relaxantes, divertidas e que correspondam aos seus interesses
  • Dedique tempo a um hobby ou comece um novo
  • Faça um curso on-line (muitas opções gratuitas no Coursera)
  • Faça passeios virtuais por museus e atrações em todo o mundo
  • Complete aquele projeto de limpeza / organização da casa para o qual não tinha tempo antes
  • Passe algum tempo em contato com a natureza, se possível
  • Limite a exposição a notícias e mídias sociais
  • Procure informações de fontes oficiais (OMS, Ministério da Saúde local)
  • Trate a si mesmo e aos outros com carinho e compaixão

Enquanto isso, se estiver em casa e procurando idéias de comidinhas, temos várias receitas fáceis no blog para você experimentar.

O que está fazendo para tentar manter o equilíbrio e usar esse tempo de forma mais positiva? Se precisar de ajuda, entre em contato com organizações de apoio na sua área. Se puder ajudar alguém, por favor, ajude. Acima de tudo, cuide-se e #fiqueemcasa.

Talk to us! | Fale conosco!